SEMINOMA UNILATERAL EM UM COELHO: RELATO DE CASO.

Blume, G.R.¹, Teixeira Neto, R.L.A.L.¹, Barbosa, C.H.G.¹, Neves, J.P.², Moraes, E.L.S.C.², Reis Júnior, J.L.¹, Sant’Ana, F.J.F¹.

Autor correspondente. Tel.: +55 61 31072829. Endereço de E-mail: gui_blume@hotmail.com (Blume, G.R.).

1. Laboratório de Patologia Veterinária da Universidade de Brasília (UnB); 2. Clínica Veterinária Mundo Silvestre.

PALAVRAS CHAVE: Neoplasia, Testículo, Lagomorfo.

INTRODUÇÃO: Neoplasmas testiculares são pouco descritas em coelhos e o tumor de células intersticiais é o mais frequentemente relatado [8, 9]. O seminoma é uma neoplasia derivada das células germinativas do epitélio seminífero [6]. Em geral, acomete cães, equinos e bovinos adultos e pode ser uni ou bilateral [2, 4, 7]. Histologicamente são subdivididos nas formas intratubular ou difuso, dependendo do grau e duração da lesão [2]. Este trabalho objetiva descrever os achados anatomopatológicos de um caso de seminoma em um coelho doméstico.

MATERIAL E MÉTODOS: Um coelho doméstico, macho, de 8 anos, apresentou histórico de aumento de volume no testículo esquerdo. Foi recomendada orquiectomia terapêutica e envio dos testículos para análise histopatológica. Os testículos com epidídimos foram coletados e fixados em formol 10%, processados rotineiramente e corados por HE.

RESULTADOS: Macroscopicamente o testículo e epidídimo esquerdos mediam 4,0 x 3,0 x 2,5 cm. O testículo era firme e, ao corte, era difusamente amarelado e irregular. Na microscopia, cerca de 90% do fragmento avaliado estava acometido por neoplasia oriunda das células da linhagem germinativa que expandia e substituía túbulos seminíferos e o interstício, destruindo a arquitetura normal do órgão. As células estavam arranjadas em mantos com estroma fibrovascular escasso. As células eram poliédricas a arredondadas, com bordos moderadamente distintos, citoplasma levemente eosinofílico e escasso. O núcleo era basofílico, ovalado e grande (cerca de 60 μm) com cromatina frouxa e um a três nucléolos evidentes. Havia anisocitose e anisocariose moderadas e 13 mitoses em dez campos de maior aumento (400X), com mitoses aberrantes e algumas células multinucleadas. Entremeando as células neoplásicas, havia quantidade moderada de material amorfo, eosinofílico, com restos celulares (necrose) e hemorragia. No outro testículo encaminhado, havia diminuição ou ausência moderada das células da linhagem espermática no lúmen tubular (degeneração) e aumento do tecido conjuntivo intersticial. Com base nos achados anatomopatológicos, firmou-se o diagnóstico de seminoma difuso unilateral.

DISCUSSÃO E CONCLUSÃO: O seminoma ocorre com maior frequência em cães e touros velhos e é incomum em coelhos [1, 2] Em cães, o criptorquidismo predispõe neoplasias testiculares, incluindo o seminoma [4], porém, essa alteração congênita não foi observada no presente caso. Adicionalmente, criptorquidismo não ocorre frequentemente em coelhos [7]. Há descrições de invasão do seminoma para vasos sanguíneos do plexo pampiniforme e metástases para linfonodos regionais, entretanto essa neoplasia geralmente possui comportamento benigno [1, 3, 8]. Os achados macro e microscópicos observados no presente coelho são muito semelhantes aos de outras descrições [1 – 4, 6]. No presente relato, o seminoma era unilateral, porém há relatos dessa neoplasia acometendo os dois testículos [1, 8]. O diagnóstico diferencial de seminoma em coelhos inclui tumor de células intersticiais, teratoma e tumor de células granulares [4, 5, 8].

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

1. Anderson W.I. et al. Bilateral testicular seminoma in a New Zealand white rabbit (Oryctolagus cuniculus). Lab. Anim. Sci. 40:420–421, 1990.

2. Banco, B. et al. Metastasizing testicular seminoma in a pet rabbit. VET. Diagn. Invest. 24(3):608–611,2012.

3. Brown, P.J., Stafford, R.A. A testicular seminoma in a rabbit. J Comp Pathol 100:353–355, 1989.

4. Heatley, J.J., Smith A.N. Spontaneous neoplasms of lagomorphs. Vet. Clin. Exot. Anim. 7:561–577, 2004.

5. Irizarry-Rovira A.R. et al. Granular cell tumor in the testis of a rabbit: cytologic, histologic, immunohistochemical, and electron microscopic characterization. Vet. Pathol. 45:73–77, 2008.

6. MacLachlan, N.J., Kennedy, P.C. Tumors of the Genital Systems. In: Meuten, D.J. Tumors in Domenstic Animals. ed. Ames, IA: Iowa State University, 2002. p.547-573.

7. Nascimento, E.F., Santos, R.L. Patologia da reprodução dos animais domésticos. 3. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2011. 149p.

8. Roccabianca, P. et al. Simultaneous seminoma and interstitial cell tumour in a rabbit with a previous cutaneous basal cell tumour. J. Comp. Pathol. 121:95–99, 1999.

9. Veeramachaneni, D.N., Vandewoude, S. Interstitial cell tumour and germ cell tumour with carcinoma in situ in rabbit testes. Int. J. Androl. 22:97–101, 1999.